Maringá

31/08/2020

Cultivo de abacaxi é tema de workshop online

A produção de abacaxi é uma atividade que pode ser uma opção lucrativa para muitos agricultores. Atualmente a área com a fruta no Paraná é de 585 hectares concentrados, principalmente, na região Noroeste do estado. Para discutir o  mercado e aspectos da produção, a UEM (Universidade Estadual de Maringá), a Fetaep (Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Paraná), Ceasa (Centrais de Abastecimento do Paraná) e o IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - Iapar-Emater) vão realizar um workshop, online, sobre o tema. Serão três módulos, transmitidos pelo canal do IDR-Paraná no Youtube nos dias 10, 17 e 24 de setembro, a partir das 9 horas.

A cultura do abacaxi exige algumas práticas de manejo de solo e das plantas para alcançar o resultado esperado. De acordo com Sílvio Ferrari, do IDR-Paraná de Dr. Camargo e Maringá, a margem lucrativa da cultura é grande, quando comparada à de outras lavouras. Segundo levantamentos dos extensionistas do IDR-Paraná, a receita média de um hectare de abacaxi é de R$ 40.000, contra um custo de R$23.565. "Poucas atividades na agricultura dão esse lucro", observou Ferrari.

Oportunidade
Os plantios no estado vêm apresentando produtividade entre 30 e 40 toneladas por hectare. As variedades Pérola, Jupi e Smooth Cayenne são as mais plantadas, mas a Embrapa vem divulgando novas cultivares. Santa Isabel do Ivaí e Santa Mônica são os municípios onde o cultivo de abacaxi está mais desenvolvido. "O abacaxi adapta-se bem a solos arenosos e argilosos, desde que não sejam compactados e que tenham boa fertilidade", explicou Ferrari. Ele acrescentou que a qualidade das mudas é fundamental para o sucesso do plantio e que os principais problemas enfrentados pelos produtores são a fusariose, doença fúngica, e a cochonilha, uma praga que ataca os pés de abacaxi. "Daí a importância de o produtor adotar boas práticas de manejo", explicou. Ferrari lembra ainda que devido ao clima do Paraná, os produtores conseguem programar a produção para o primeiro semestre do ano. Dessa maneira, conseguem preço médio mais alto, em virtude da baixa oferta da fruta no país nesse período.

Abacaxi no mundo
A Nigéria é o país com maior área de plantio de abacaxi, 200 mil ha, mas a produtividade fica abaixo de 10 ton/ha. A Costa Rica é o maior produtor mundial da fruta, 3,4 milhões de toneladas, seguida das Filipinas (2,7 milhões de toneladas) e do Brasil (2,6 milhões de toneladas). A área brasileira chega a 71.500 ha e alguns produtores da Bahia conseguem colher até 60 ton/ha. A quase totalidade da produção do Brasil é destinada ao mercado interno. Mas no primeiro trimestre do ano passado o país exportou 265 toneladas de abacaxi, enquanto que no mesmo período deste ano as vendas para o exterior somaram 505 toneladas, segundo dados da Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados. O mercado externo, com melhores preços, é um filão a ser explorado pelos produtores.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.