Umuarama

30/05/2019

Região de Umuarama prioriza ações na pecuária de corte

A pecuária de corte é atualmente a principal atividade econômica na Região de Umuarama, respondendo por 23% do VBP (Valor Bruto da Produção Agropecuária) regional (SEAB/DERAL, 2018), ocupando cerca de 60% da área produtiva. Em que pese a sua atual importância econômica e social para a região, essa atividade ainda tem um grande potencial de crescimento. Para isso, se faz necessário um vigoroso impulso em produtividade e renda, a partir da obtenção de melhores índices técnicos e zootécnicos, tais como: taxa de desfrute, taxa de natalidade, taxa de mortalidade, idade de abate, produção de carne por área, taxa de lotação, entre outros. A melhoria de tais índices é fator preponderante para tornar a produção pecuária regional mais eficiente e competitiva, a partir da construção de arranjos produtivos mais eficientes e sustentáveis, tanto sob a ótica econômica como também ambiental. Por essa razão, a Bovinocultura de Corte é um dos projetos prioritários trabalhados pelo EMATER em nível regional.

Na estratégia de atuação junto a esse público, dentre os muitos pecuaristas existentes foram selecionados alguns para integrarem grupos a serem acompanhados através de uma assistência técnica diferenciada e continuada, visando a difusão e adoção de tecnologias que levem à modernização da pecuária de corte regional, com obtenção de maiores produtividades, maior qualidade do produto final e maior renda aos produtores, em comparação com a pecuária tradicional . Dentro da estratégia de atuação no projeto, são acompanhadas URs (Unidades de Referência) como instrumentos de validação e difusão de tecnologias, sendo esta última realizada especialmente através de metodologias grupais como, dias de campo, excursões, reuniões técnicas e reuniões práticas.

Na busca pela alavancagem do desenvolvimento dessa atividade na região, são utilizadas várias estratégias técnicas como: estímulo à reforma, recuperação e manejo de pastagens, alimentação estratégica de inverno, melhoria no manejo reprodutivo e nutricional, melhoria nas instalações, organização dos produtores e comercialização diferenciada, entre outras.

Através do Projeto Carne e Madeira de Qualidade, que vem sendo executado mediante parceria entre EMATER e MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), foram selecionadas 05 propriedades que passaram a ser assistidas como URs, nas quais, além das ações técnicas acima referidas, também vêm sendo adotadas estratégias voltadas à introdução do componente florestal nas áreas de pastagens (sistema silvipastoril), especialmente por ocasião do processo de reforma das mesmas com o uso de lavouras (sistema de integração lavoura, pecuária e floresta); objetivando a difusão dessa possibilidade concreta de obtenção de melhorias ambientais que resultam em condições produtivas mais favoráveis às forrageiras e aos animais, com mitigação dos passivos ambientais gerados pela bovinocultura, além de proporcionar ao pecuarista a produção de madeira de qualidade, com benefícios econômicos aos sistemas de criação, no médio e longo prazo. Além dessas 05 Unidades de Referência, em outras propriedades da região já vem sendo adotado o sistema silvipastoril, como forma de buscar a melhoria de produtividade, com diversificação da renda na pecuária de corte.

Como forma de difundir tecnologias voltadas à modernização da pecuária de corte, demonstrar os resultados positivos alcançados em uma das URs acompanhadas pelo EMATER, e também promover a integração entre ensino universitário e extensão rural; através da participação de alunos do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário Integrado, no último dia 25 de Maio foi realizado no Município de Umuarama, na UR do produtor Gerson Magnoni Bortoli, um Dia de Campo com o Tema: Estratégias para uma Pecuária Lucrativa. O evento contou com a participação de mais de 230 pessoas, entre acadêmicos, produtores rurais e profissionais de ciências agrárias, que puderam acompanhar 04 Estações Técnicas: Mais pasto mais lucro, Genética que gera lucro, Terminação de baixo custo e Pecuária sustentável.

O início do trabalho de assistência técnica na UR do Sr. Bortoli foi em janeiro de 2018, e os resultados apresentados aos participantes foram de janeiro a dezembro de 2018. Um sistema de produção completo, com cria, recria e engorda.

A taxa de natalidade atingiu 83%, bem acima da média estadual e maior até mesmo que a meta do Programa Pecuária Moderna para 2025, de 75%. Para garantir a qualidade do produto final, o sistema preza por abate de animais precoces e superprecoces, sendo que a idade média de abate das fêmeas ficou em 16 meses e dos machos em 24 meses.

O produtor conseguiu enviar 358 animais para abate em 2018, de um rebanho total de 875 cabeças, alcançando taxa de abate de 41%, bastante superior a média regional que é 30%.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.