Ponta Grossa

01/03/2019

Semana de Campo reunirá produtores de Feijão e Milho em Ponta Grossa

Ao menos 1.600 produtores, além de estudantes de colégios agrícolas e universidades, estão sendo esperados na 20ª Semana de Campo sobre Feijão e Milho, de 12 a 15 de março, em Ponta Grossa.

Os participantes terão a oportunidade de conhecer novas tecnologias que podem melhorar a produtividade e aumentar a renda das lavouras. Durante as atividades que serão desenvolvidas na Fundação ABC, os agricultores também vão conhecer 38 novos materiais, entre variedades de milho e feijão.

A Semana de Campo é parte das atividades do projeto Centro Sul de Feijão e Milho, desenvolvido pelo Instituto Emater, em parceria com o Iapar, o Instituto Agronômico de Campinas (IAC), a Embrapa e a Syngenta. "O produtor vai conseguir visualizar as tecnologias que estão ao seu alcance para aumentar a produtividade. São sete estações com os técnicos orientando sobre o manejo de solo, plantas de cobertura, plantio direto, manejo integrado de pragas do feijão, controle de doenças, plantas invasoras e pragas do feijão e do milho", afirmou Germano Kusdra, coordenador estadual do projeto.

Uma das novidades deste ano é o protocolo do MIP (Manejo Integrado de Pragas) do feijão definido pelos técnicos do Instituto Emater, pesquisadores do Iapar e da Universidade de Londrina. De acordo com Kusdra, até a realização desse trabalho, não havia orientações específicas para o Paraná. "Esse protocolo é o resultado do acompanhamento das últimas cinco safras no estado", observou. O extensionista lembrou que produtores do projeto que aplicaram o MIP na última safra, por exemplo, conseguiram reduzir sensivelmente a aplicação de inseticidas. "Na primeira safra 2017/2018 houve casos em que não foi feita nenhuma aplicação, pois o acompanhamento indicava que as pragas não estavam causando prejuízo para as lavouras", contou Kusdra. Segundo ele, a função do MIP não é apenas reduzir o uso de agrotóxicos, mas também definir o produto certo, no momento adequado. "Isso reduz os custos das lavouras, porque diminui o gasto com produtos, mão de obra e amassamento da cultura", alertou.

Os profissionais do projeto também orientam os agricultores sobre o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e recolhimento de embalagens para evitar intoxicações. Esta ação conta com a parceria da Assocampos (Associação dos Revendedores de Insumos Agropecuários dos Campos Gerais) e  da empresa VEST SEGURA.

Produtividade
O Projeto Centro Sul de Feijão e Milho vem sendo levado aos produtores há 28 anos. " O trabalho começou com uma ação conjunta com a Syngenta sobre o uso de agrotóxicos. Depois vieram as orientações sobre o plantio direto e, posteriormente, tecnologias de produção adequadas ao produtor familiar", lembrou Kusdra. Ele informou ainda que os ganhos em produtividade são notórios. Enquanto a produtividade média nacional de feijão na safra 2017/2018 ficou em 981 kg/ha, a estadual 1.472 kg/ha, os produtores  que participaram do projeto colheram 2.254 kg/ha. No caso do milho os números também revelam um aumento significativo. Dados da Conab informam que  a produtividade média nacional na última safra chegou a 4.857 kg/ha. No Paraná a média ficou em 4.878 kg/ha. Agricultores do projeto conseguiram atingir a produtividade de 9.309 kg de milho por hectare.

O Projeto Centro Sul de Feijão e Milho mobiliza uma equipe de  50 técnicos do Instituto Emater, além de profissionais das prefeituras de 42 municípios do estado nesta safra. Ao todo, 2.000 agricultores familiares são acompanhados diretamente pelos extensionistas, além de produtores que participam ocasionalmente de alguma atividade do projeto.

Serviço:
20ª Semana de Campo
12 a 15.03.2019
Fundação ABC
Ponta Grossa
Informações: (42) 3228 3700 Instituto Emater
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.