Cascavel

09/02/2018

Agroindústrias de Cascavel recebem selo de origem familiar

Dez empreendimentos rurais da região de Cascavel receberam nesta quinta-feira, dia 8, o selo de identificação da agricultura familiar, durante o Show Rural Coopavel. Os empreendedores contam com a assessoria técnica do Instituto Emater e foram certificados pela Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário. Para os agricultores foi o reconhecimento de um trabalho desenvolvido ao longo de anos, além de um diferencial que deve dar destaque aos produtos no mercado.

Na região de Cascavel existem cerca de 300 agroindústrias familiares, distribuídas por oito municípios. Edivaldo Duarte da Silva é um deles e recebeu o selo. Ele e a família lidam com a fabricação de doces e geléias, há dois anos e meio. Edivaldo comemorou o selo que passa a estampar os seus produtos. "Para nós é um reconhecimento do nosso trabalho. Com certeza é uma forma de destacar nossos produtos no mercado, já que o selo comprova a origem familiar dos produtos", observou. A agroindústria de Edivaldo, a Duarte Produtos Coloniais, produz 300 quilos de doces por mês e abastece diversos pontos comerciais de Cascavel.

O uso do selo de identificação da Participação da Agricultura Familiar é voluntário.  Além disso, a certificação tem validade de cinco anos e sua renovação é feita mediante a comprovação de que o estabelecimento é familiar. A intenção é valorizar essa produção, promover a inclusão econômica  e social dos agricultores, bem como gerar renda e empregos no campo. O selo não substitui qualquer exigência legal quanto à produção, industrialização ou consumo dos produtos.

Segundo Marcos Pescador, delegado da Secretaria Especial da Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário, o Instituto Emater leva assistência técnica ao agricultor para que ele tenha sucesso com a agroindústria e o selo mostra aos consumidores o trabalho que existe por trás dos produtos têm origem familiar. "Queremos incentivar o produtor a aderir a esse programa.

 A extensionista Karolline Marques da Silva, informou que oito empreendedores individuais, uma associação e uma cooperativa foram contemplados com o selo em Cascavel. "Os agricultores se sentem reconhecidos. E na banca do mercado é como se o selo fizesse o boca-a-boca, informando que há uma família de agricultores por trás do produto", observou Karolline. O diretor presidente do Instituto Emater, Rubens Niederheitmann, destacou que o  selo qualifica o agricultor familiar e garantiu que o trabalho de assistência aos produtores deve continuar. "Os agricultores podem contar com o Instituto Emater para apoiar e dar continuidade a esse trabalho", concluiu Niederheitmann.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.