Projeto Piscicultura

A atividade de piscicultura é realizada em praticamente todo o estado em diferentes sistemas de produção, desde os extensivos até os super-intensivos. A produção situa-se em torno de 41 mil t/ano (SEAB/DERAL, 2012). A principal espécie cultivada é a tilápia com 84%, seguida das carpas e do pacu com 12% e as demais espécies representando apenas 4% da produção total. A produção concentra-se na região oeste com 50%, seguida da região norte com 15% e da região leste com 5%. Essa produção é realizada em viveiros de terra e tanques-rede.

O crescimento da piscicultura não tem sido mais expressivo devido às dificuldades que os piscicultores encontram para o licenciamento ambiental, fato que restringe a utilização de crédito rural, uma vez que a atividade exige recursos para investimento e custeio. A baixa profissionalização e a falta de organização dos piscicultores também dificultam o seu crescimento.



Tanques tradicionais tecnificados
Projeto Carlópolis de Tanques Rede
Tanques tradicionais tecnificados
Projeto Carlópolis de Tanques Rede


Por outro lado, o Estado do Paraná possui um grande potencial para a exploração da atividade, por conta da grande quantidade e qualidade das águas, das características dos solos e das coleções de águas disponíveis em represas.

A piscicultura é uma exploração que permite a obtenção de renda significativa com a utilização de pequenas áreas da propriedade, possibilita o envolvimento de outros membros da família, principalmente mulheres e jovens e a rentabilidade depende do nível tecnológico adotado.

O Instituto Emater conta com uma estrutura técnica capacitada, atuando em 50 municípios no estado e atendendo 1.850 piscicultores. Tem suas ações concentradas para a obtenção do licenciamento ambiental, na profissionalização dos produtores e na sua organização.


Recomendar esta página via e-mail: