Projeto Plantas Potenciais, Medicinais e Aromáticas - Detalhes

O Estado do Paraná destaca-se dos demais por ser aquele que possui maior tradição no cultivo de plantas medicinais. Iniciou há mais de 100 anos com o cultivo de camomila como cultura alternativa de inverno na Região Metropolitana de Curitiba. Em 1994, o Paraná já era fornecedor de 90% da demanda nacional de plantas cultivadas.

Na mesma época vários laboratórios da região e do estado intensificaram a fabricação de produtos à base de plantas medicinais, aromáticas e condimentares, aumentando a demanda regional por estas culturas por empresas como Nutrimental, Boticário, Herbarium, Leão Júnior, KrisBelt, entre outras. Paralelamente, os atacadistas de outros estados que aqui se abasteciam de plantas nativas obtidas por extrativismo passaram a solicitar quantidades cada vez maiores.

O mercado mundial de ‘produtos naturais’ (derivados de plantas, óleos essenciais, chás, temperos, etc.) envolve cifras de US$ 60 bilhões US$ / ano e a demanda é crescente, cerca de 7% ao ano segundo estimativas da ONU. Movimentando cerca de 400 mil toneladas / ano, envolvendo 3 mil espécies, sendo que 900 destas espécies são cultivadas ou estão em processo de domesticação.

O aumento na demanda de plantas medicinais, a busca de culturas alternativas, porém rentáveis por parte dos agricultores e o estímulo a uma agricultura ecologicamente sustentável por parte do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Paraná – Emater fomentaram as iniciativas dos agricultores que logo diversificaram a produção e passaram a cultivar, além da camomila, outras espécies exóticas e, mais recentemente, também nativas.

Com isso, foi desencadeado no Paraná um movimento de organização dos interessados em obter informações técnicas e de mercado desse novo ramo. Profissionais de instituições de ensino, de pesquisa e da extensão rural e também da iniciativa privada vem desenvolvendo trabalhos em conjunto para atender esta demanda crescente.

Foram realizadas pesquisas visando determinar quais as espécies mais adaptadas às condições edafo-climáticas do estado. Devido à sua localização geográfica, o Paraná apresenta duas situações climáticas bastante distintas. A diversidade climática permite que o estado apresente uma maior diversidade de espécies nativas. As diferenças no clima possibilitaram, também, a introdução de espécies exóticas de diferentes regiões. O cultivo diversificado de espécies vai de encontro às necessidades do mercado e, ao mesmo tempo, está em acordo com o sistema de produção recomendado – sistema orgânico e policultivo (Corrêa Júnior. et al., 1991).

As plantas potenciais como palmeiras para palmito (pupunha, palmeira-real, juçara, etc.), nozes (macadâmia, etc.), estévia, coco-anão, cana-de-açúcar para produção de mascavo e bebidas, urucun, entre outras, apresentaram-se como alternativa de renda a agricultura familiar. Destacamos o cultivo de palmeiras para a produção de palmitos e frutos que através dos resultados favoráveis obtidos nas unidades experimentais instalados no estado em conjunto com a Embrapa, Iapar, resultou em uma atividade de alta rentabilidade. Destaque para o cultivo da pupunha irrigada no noroeste.

Outro destaque é o crescimento sistemático observado na área ocupada pelo cultivo orgânico de plantas medicinais, em resposta à demanda do mercado, sendo em 1996/97 uma área de cultivada de 60,0ha e atualmente 405,0ha. O numero de produtores em 1996/97 de 25 aumentou para 359.

Apesar das plantas medicinais, aromáticas e condimentares ocuparem um nicho de mercado, quando comparadas com os cultivos comerciais elas têm apresentado uma maior rentabilidade. No entanto, o produtor deve obter informações de mercado e, se possível, contatar compradores potenciais antes de cultivar em larga escala.

O complexo agro-industrial (cadeia produtiva) de plantas medicinais, aromáticas e condimentares apresenta muitas oportunidades, pois se estende desde a produção até o empacotamento, extração de óleo essencial, indústrias de alimentos e bebidas, de cosméticos, de fitoterápicos, fitofármacos, corantes, dentre outros.

Apesar de poucos técnicos para atender a demanda, da pouca informação agro-tecnológica disponível e da pouca sensibilidade política para a área, nossa atuação neste segmento é de apoio com assistência técnica efetiva através dos técnicos da Emater. Nossa atuação vai da produção a comercialização, passando por todos os segmentos da cadeia produtiva. Praticamente todos os produtores das plantas potenciais, medicinal-aromáticas têm uma ação direta ou indireta da extensão rural, seja através de encontros, reuniões, dia de campo, dentre outras metodologias.


Recomendar esta página via e-mail: